VOO JJ3085 

Data: 29/02/2016
Horário previsto da decolagem: 17h30
Horário da decolagem: 17h33

Chegada prevista: 19h07
Chegada: 18h59
Voo: JJ3085
Rota: CGH-POA
Tempo de voo: 01h26

Aeronave: Airbus A319
Companhia: TAM
Matrícula: PR-MYL
Assento: 18A
Capacidade: 144 passageiros em classe única
Ocupação: 141/144 (97,9%)

Fotos por João Machado

Após um proveitoso dia em São Paulo a fim de entrevistar o presidente do Grupo Synergy, German Efromovich, era hora de voltar pra casa. Estava tudo certo pra eu voltar no voo 3051, às 20h55. Porém, como eu já tinha voltado do meu compromisso, foi melhor adiar meu voo. Os agentes de aeroporto em CGH trataram de me colocar em um voo mais cedo. Conseguiram um lugar pra mim no voo JJ3085, com saída prevista às 17h30. Só havia um problema: tinham me colocado em um assento no corredor e eu teria que dar um jeito de conseguir a janela.
Ao chamarem o meu voo para o embarque, um agente de aeroporto me acompanhou até o portão. Por eu ser um “menor maior” (menor de idade desacompanhado, porém com mais de 12 anos), fui o primeiro a embarcar.
Ao entrar na aeronave, fui recebido com um belo sorriso da comissária. Na mesma hora eu perguntei a ela se poderia verificar se haveria algum assento na janela. Ela disse que poderia verificar.
Fiquei aguardando o embarque encerrar para que eu pudesse ver se iria na janela.

Embarque encerrado. Perguntei à comissária se haveria alguma janela… e ela conseguiu a 18A pra mim! Fiquei bem feliz e rapidamente fui ao meu novo assento. Era dia de casa cheia: haviam 141 assentos ocupados (considerando duas crianças de colo, eram 143 passageiros).
O nosso voo seria operado pelo PR-MYL, entregue novo de fábrica à TAM em junho de 2011. Ela já tinha o novo interior padrão da TAM, que eu acho muito mais bonito que o antigo.
O voo seria tripulado pelo Comandante Leomar, pelo Co-piloto Travagli, pela comissária-líder Thais e pelos comissários Renan e Gustavo.
O espaço pra mim era ótimo (até porque eu tenho 1,60m de altura), mas deu pra perceber que os passageiros próximos a mim sofriam com o espaço. O assento, apesar de ter um design muito bonito, era bem duro. O reclínio, no entanto, era no padrão.
Logo as portas foram fechadas e iniciamos o pushback. A pista em uso era a 17R Táxi iniciado, chegamos ao ponto de espera, onde aguardamos por um curto tempo e logo alinhamos.
Aos poucos o comandante Leomar foi aplicando potência, até que às 17h44 ele empurrou as manetes para a posição de decolagem e aeronave começou a acelerar pela curta pista de Congonhas. Logo já estávamos voando e entrando na baixa camada de nuvens que cobria São Paulo.
Em alguns minutos já passávamos as nuvens e uma bela luz de fim de tarde iluminava tudo à nossa vista.

Logo após a decolagem, fui experimentar o novo entretenimento de bordo da LATAM, o LAN TAM Entertainment. Funciona assim: você baixa um aplicativo antes do voo que ele vai disponibilizar diversas séries, filmes e tudo o mais por meio de streaming, quando o celular conectar com o Wi-Fi da aeronave. No entanto, o wi-fi não funciona para usar a internet em geral. Caso o passageiro não tenha o app, é só entrar no navegador do seu dispositivo e colocar http://entertainment. Há também a opção de colocar no mapa do voo, e obviamente eu coloquei nele.
Além dessa nova e ótima função, havia a já tradicional revista TAM nas Nuvens e também haviam pequenas telas sob os bins que passavam coisas aleatórias.

Haviam ainda tomadas abaixo dos apoios de braços, porém a minha não funcionava. No assento do corredor, porém, funcionou perfeitamente.
Logo teve início o serviço de bordo. As opções de bebidas eram sucos, água, Coca-Cola, guaraná e também o café gourmet Suplicy. Havia também uma única opção de comida, um sanduíche com presunto e queijo.
Fiquei com o café e a Coca-Cola, além do sanduíche. Como eu estava com muita fome, pedi mais sanduíche e também mais café e Coca-Cola. O atencioso comissário perguntou quantos sanduíches eu queria. “Muitos!”, eu disse. Então ele me deu três!

Estabilizamos a 36000 pés, num voo com quase nenhuma turbulência. Porém, como tudo o que é bom dura pouco, logo iniciávamos a nossa descida, ainda sob uma lindíssima luz de fim de tarde.

A pista em uso em POA era a 11, onde pousamos pontualmente às 18h59. Após uma forte frenagem, livramos pela taxiway F, onde seguimos pela D até o pátio 1, terminando assim, o nosso breve – porém ótimo – voo.
Notas:

Reserva: 10 – feita pelo site da TAM, sem problema algum.
Check-in: 3 – feito online, porém houveram diversos bugs. Nos dois primeiros dias em que o check-in esteve disponível, aparecia uma mensagem de erro. Quando eu finalmente consegui, me colocaram em um assento diferente do que eu havia selecionado na reserva.
Embarque: 10 – organizado, com a devida assistência e prioridade a um menor de idade desacompanhado (que não era eu) e a uma senhora com dificuldades de locomoção. Por falar nisso, todo o pessoal de solo da TAM em CGH está de parabéns, todos muito atenciosos! Em especial à agente de aeroporto Sâmia.
Assento: 7 – apesar de ter um belo design, ele é meio desconfortável, além de não ter muito espaço para pessoas mais altas, pelo que eu observei. O reclínio está no padrão.
Aeronave: 10 – cada vez mais eu sou fã dos Airbus em geral! Aeronave muito silenciosa. Estava impecavelmente limpa.
Entretenimento: 9 – a nova opção de entretenimento por streaming é bem inovadora e vantajosa tanto para o passageiro quanto para a empresa – é certamente bem mais barato do que colocar entretenimento individual. No entanto, deviam haver melhores opções.
Comissários: 10 – impecáveis, queridos e atenciosos com todos.
Refeições: 7 – o sanduíche estava delicioso, e inclusive eu ganhei outros três ao pedir mais. Porém, podia ter alguma outra opção a mais, como um snack ou coisa do tipo.
Bebidas: 10 – diversas opções, como é padrão nas outras companhias aéreas.
Desembarque: 10 – ágil e organizado.
Pontualidade: 10 – saída 3 minutos após o horário previsto e chegada 8 minutos antes.
Média final: 8,72